Mallu Magalhães lança seu novo álbum “Vem”

Chega às lojas e plataformas digitais nessa sexta-feira, 9, o novo álbum de estúdio de Mallu Magalhães. Quarto da carreira, “Vem” traz 12 faixas inéditas, incluindo “Casa Pronta” e “Você Não Presta”, cujo videoclipe já conta com quase 2 milhões de visualizações no Youtube. Com arranjos de Mario Adnet e Marcelo Camelo, o álbum contou com músicos renomados, como Dadi Carvalho, Kassin e Rodrigo Amarante.

Sobre “Vem” (Por Marcus Preto) 

A cada novo trabalho que Mallu Magalhães lança, seu talento como compositora se confirma. Mais do que isso: seu dom natural para combinar música e letra se expande e extrapola. Ela é sempre maior no dia seguinte do que era na véspera, em evolução constante. Mallu esbanja a característica mais cara a um grande compositor de música popular: em viradas inesperadas de um verso para outro, consegue extrair grandeza poética singular de frases aparentemente comuns, de situações muito cotidianas. Em dez anos de carreira, Mallu se consolida agora como a maior compositora brasileira de sua geração

Quarto álbum de estúdio de Mallu, “Vem” (Sony Music) inaugura um novo ciclo na história artística da cantora paulistana revelada em 2007, aos 15 anos, por meio da rede social MySpace. Mallu deixa para trás qualquer sombra da fragilidade que pudesse haver em seus discos anteriores. Nos mostra aqui 12 canções autorais (todas as letras e músicas foram escritas por ela) que constroem um repertório contundente, mais amplo em temas e vivências pessoais, enriquecido por experiências como a maternidade. Diferenças já podem ser notadas na capa do álbum. Pela primeira vez, é seu rosto – e não, como antes, um desenho ou uma pintura delicada – que aparece estampado na foto. O mais solar e o menos introspectivo entre todos os seus trabalhos, “Vem” é visto por Mallu como “um disco da rua, que quebra o vidro e se aproxima das pessoas”. “Não é sobre o meu mundinho, é sobre o nosso mundão. É um ‘tamo aí’ e um ‘vamo aí’ ao mesmo tempo”, ela define.

O salto conceitual de “Vem” é acompanhado de perto pelo notável crescimento musical de Mallu. Além de estar em sua melhor fase como cantora e violonista, a artista concebeu o álbum com os olhos no que existe de tecnicamente mais sofisticado, a fim de chegar ao melhor acabamento possível. Produzido por Marcelo Camelo, o disco foi gravado entre São Paulo, Rio e Lisboa e reúne músicos expressivos das três cenas. O intuito era o de encontrar a combinação ideal e a potência máxima para cada faixa. Além de Camelo e da própria Mallu (violão, guitarra e piano elétrico), o time de músicos conta com participações de Rodrigo Amarante, Dadi Carvalho, Davi Moraes, Kassin, Armando Marçal, Mauricio Takara e Victor Rice, entre outros. Os arranjos de cordas são assinados por Mario Adnet e os de sopros, divididos entre Adnet e Marcelo Camelo.

Fui convidado por Mallu para fazer a direção artística desse disco. E pude ver, das internas, aquilo que Kassin, produtor do segundo trabalho da cantora, já havia me contado sobre seu processo criativo: a cada nova aparição de Mallu no estúdio, ela traz no bolso uma canção melhor do que as que já estavam prontas, muitas vezes composta na virada da noite anterior. Mallu parece uma fonte inesgotável de ideias. Nossa missão diária era substituir uma música ótima por outra melhor ainda. Nunca tinha visto algo parecido.

São muitas as possibilidades de caminhos que se abrem tendo nas mãos repertório tão farto. Mas, talvez pela empatia imediata que provocam, as canções de amor acabaram por dominar o álbum. “Navegador”, “Será que um Dia”, “Vai e Vem” e “Pelo Telefone” são dessa estirpe. Como também é “Você Não Presta”, o primeiro single de “Vem”, lançado no dia 19 de maio, acompanhando clipe dirigido pelo português Bruno Ferreira. Em composições com essas características, vem à tona justamente o talento de Mallu para lidar com o que há de mais vigoroso e desconcertante na linguagem direta das letras. E na descomplicação pop das melodias. Da pesquisa dos timbres à elaboração dos arranjos, a sensibilidade de Marcelo Camelo foi fundamental para que essas características essenciais fossem ressaltadas, encontrando o universo e a personalidade tão peculiar de cada canção.

“Culpa do Amor” é a composição mais antiga de “Vem”. Escrita em 2014, estava entre as canções que Mallu enviou para Gal Costa quando a cantora buscava repertório para o álbum “Estratosférica” (2015). Gal gravou outra, “Quando Você Olha pra Ela”, igualmente deliciosa. E “Culpa do Amor” surge agora – novinha – pela voz da própria autora.

Primeira música apresentada ao público, então em arranjo de voz e violão, “Casa Pronta” foi feita para aguardar a chegada de Luisa, filha de Mallu e Marcelo, que nasceu em dezembro de 2015. A canção foi mostrada ao vivo no show solo “Saudade”, com que Mallu correu Brasil e Europa no ano passado, e agora ganha arranjo sofisticado de cordas. Em contraponto a ela, “Gigi” foi escrita para a mãe de Mallu – o que torna a narrativa do álbum ainda mais elaborada. Mallu é a filha amorosa e, ao mesmo tempo, é a mãe que se maravilha com as novidades da família recém-formada. São belezas que se espelham: a mulher toma o lugar da menina, a menina toma o lugar da mulher, as duas para sempre inseparáveis.

Outro par de canções-irmãs, “São Paulo” e “Guanabara” contemplam a vida em ponte aérea entre a cidade em que Mallu nasceu e aquela onde foi viver tempos depois. Fechando o triângulo, “Linha Verde” traz para o disco a terceira das cidades entre as quais Mallu tem dividido seus dias atuais: Lisboa. A valsa ganha ares da fado a partir das participações de José Manuel Neto, Carlos Manuel Proença e Daniel Pinto, três grandes músicos portugueses.

Em ponte com sua própria história, Mallu se reconecta com a raiz folk que a revelou e seduziu seu primeiro público, há dez anos. Isso acontece na única faixa com letra em inglês do álbum, “Love You”. É ela também uma canção de amor muito direta, mas desta vez escrita à maneira do cancioneiro clássico americano de Cole Porter.

Na maior parte de “Vem”, no entanto, Mallu expõe os resultados de seu mergulho cada vez mais profundo no universo da música brasileira. É disso que o álbum trata, no final das contas. Estão sugeridos, nas entrelinhas de cada canção, os artistas que agora têm seu maior interesse, os discos que tocam em seu som e fazem sua cabeça. Dessa imersão, Mallu fez seu melhor trabalho. E ela nunca esteve tão perto de casa quanto aqui: do lado de dentro.

Repertório “Vem” (CD) 

1. Você Não Presta
2. Culpa Do Amor
3. Casa Pronta
4. Vai E Vem
5. Será Que Um Dia
6. Pelo Telefone
7. Navegador
8. Guanabara
9. São Paulo
10. Gigi
11. Love You
12. Linha Verde

Carregar mais Música

Deixe uma resposta

Veja também

Make U Sweat e Jetlag lançam música e clipe com Tiago Abravanel

Versão oficial de “Não Quero Dinheiro”, de Tim Maia, promete ser um dos grandes sucessos d…