Djonga é o rapper brasileiro mais tocado nas rádios do país

517

O artista lançou o disco “O Dono do Lugar”, em outubro de 2022

No dia 13 de outubro de 2022, aconteceu o lançamento de “O Dono do Lugar”, o último e mais longo disco do rapper mineiro Djonga. Com temática abordando a masculinidade preta, além do mercado da música, a produção ainda conta com uma capa que faz analogia à obra de Miguel de Cervantes, “Dom Quixote”, através dos Moinhos de Consuegra, e levanta o questionamento: contra quem estamos lutando?

O “Dono do Lugar” é o rapper mais tocado nas rádios do país

Ainda surfando no sucesso de seu último lançamento, um relatório da Crowley – que faz o ranking semanal das músicas mais executadas nas rádios do país – de 03 a 07 de abril, mostrou que Djonga é, atualmente, o quarto artista mais tocado do Brasil no cenário da black music, e o primeiro dentre os rappers neste ranking com a faixa “penumbra”, conforme pode ser visto neste link.

Vale ressaltar que o sucesso de Djonga a nível global não é uma novidade. “O Dono do Lugar” ganhou um telão na Times Square, manteve todas as faixas da produção nos top 200 das principais plataformas de áudio, além de atingir o sétimo lugar no ranking mundial no Spotify, enquanto na Deezer, “O Dono do Lugar” se tornou, à epoca, o segundo álbum mais ouvido do planeta, em dados levantados pela ONErpm, distribuidora digital das músicas do artista, entre 14 e 16 de outubro. Tudo isso em apenas uma semana após o lançamento da produção.

“O Dono do Lugar” foi lançado pelo selo “A Quadrilha”, fundado pelo próprio Djonga com intuito de potencializar e profissionalizar o trabalho de artistas da capital mineira. Além disso, o disco conta com feats com Vulgo FK, Sarah Guedes e Tasha e Tracie.

Uma imagem contendo ao ar livre, pessoa, homem, em pé

Descrição gerada automaticamenteCréditos: @coniiin

Do nascimento ao lançamento

A ideia do disco partiu de um momento em que o artista estava desesperançoso por causa da pandemia, amargurado e a vida não vinha seguindo o fluxo que ele queria, já que sentia saudades dos palcos, e estava um pouco ressentido com o lançamento de “Nu”, álbum anterior, onde o cantor afirma que não foi finalizado como esperado: “comecei a achar que o problema era lançar disco, já que vivemos essa febre dos singles. E eu gosto de disco, que seja uma obra conceitual de ponta a ponta e isso martelava na minha cabeça, mas a volta aos palcos me ajudou a colocar as ideias no lugar e aí surgiu a ideia para este trabalho”.

Desta forma, Djonga decidiu não lançar nenhum single até o fim de 2022 para trabalhar intensamente em “O Dono do Lugar”, que foi sendo gravado ao longo do ano.

Já a data de lançamento, embora não tenha 13 de março – como de costume –, acabou sendo escolhida no mesmo dia, porém em um mês diferente: “diante de tantos acontecimentos que estão por vir em 2022, não encontrei uma data melhor. O 13 me persegue”, brinca o artista.

O disco será lançado pelo selo do próprio Djonga, criado em 2022 com o nome de “A Quadrilha”.

Sobre Djonga: Nascido em Belo Horizonte, Gustavo Pereira Marques estudou até o último semestre do curso de História, na Universidade Federal de Ouro Preto. Não se formou porque o seu som estourou Brasil afora e ele caiu na estrada com os seus shows. Desde 2017, o rapper mineiro lançou discos anualmente, sempre no dia 13 de março. São eles: Heresia (2017), O Menino que Queria Ser Deus (2018), Ladrão (2019), Histórias da Minha Área (2020) e NU (2021). A somatória desses trabalhos levou Djonga a palcos de todos os cantos do país, rendeu milhões de views, resultou em indicações e premiações relevantes (ele foi o primeiro rapper brasileiro indicado ao BET Awards) e fez ele virar assunto, inclusive, no Jornal Nacional. Djonga pegou a caneta na mão para escrever o seu caminho e, por meio de todo o seu trabalho, acabou entrando para os livros de História.

Além de rapper, Djonga também é fundador do selo musical “A Quadrilha”, que visa potencializar e profissionalizar o trabalho de artistas independentes de Belo Horizonte.

Sobre A Quadrilha: A QUADRILHA é um selo musical fundado em 2020 por Djonga, artista mineiro que se tornou destaque no cenário musical brasileiro, mais precisamente dentro do gênero Rap/Hip Hop. A empresa foi criada a partir de uma necessidade de potencializar e profissionalizar o trabalho de artistas da capital mineira, visto que seus fundadores reconhecem a capacidade e o talento que transborda na cena local, junto a isso, também enxergam as dificuldades de alcance impostas aos artistas independentes que estão fora do eixo.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here